Polícia Civil ativa nesta quarta novos setores para investigação de crimes contra agronegócio


Serão ativados três novos setores criados pela Polícia Civil de Santa Catarina para fortalecer as investigações de crimes contra o agronegócio. Passam a funcionar, a partir da manhã desta quarta-feira, 02, o Centro de Apoio Operacional de Combate aos Crimes Contra o Agronegócio (CAOAGRO); a Delegacia de Polícia Virtual de Repressão aos Crimes Contra o Agronegócio (DELEAGRO) e o Núcleo de Inteligência do Agronegócio (NINTAGRO).
As estruturas com âmbito estadual haviam sido anunciadas no fim do ano passado pelo governador Carlos Moisés e vão ficar ligadas à Diretoria de Polícia da Fronteira (DIFRON/PCSC), em Chapecó, no Oeste do Estado. Os atos de inauguração serão realizados durante a abertura oficial da 23ª Itaipu Rural Show, em Pinhalzinho, às 10h desta quarta-feira.
O objetivo é fornecer suporte às unidades da Polícia Civil incumbidas das investigações dos crimes, proporcionar qualidade, celeridade, eficiência e uniformidade quanto à apuração de infrações penais, à prisão dos autores, à recuperação de produto ou proveito de crime ou de bens ou valores equivalentes e a redução dos índices de criminalidade, com tratamento igualitário ao pequeno, médio e grande produtor rural.
“Santa Catarina já demandava há alguns anos esta especialização por parte da Polícia Civil no que tange os crimes do agronegócio, que são um tanto quanto complexos de serem solucionados. Sem falar que há um envolvimento de valor econômico muito grande nesse tipo de crime, que atinge o pequeno, o médio e o grande produtor rural”, ressalta o delegado-geral da Polícia Civil de Santa Catarina, Marcos Flávio Ghizoni Júnior,
Com as unidades, também se busca concentrar as informações, além de centralizar, analisar e difundir dados, informações, denúncias e estatísticas sobre delitos contra o agronegócio. “Essas medidas, sem dúvida, trarão maior segurança à própria região de fronteira”, completa o delegado-geral.
O diretor de Polícia da Fronteira (DIFRON/PCSC), delegado de polícia Fernando Callfass, explica que os setores criados darão suporte, por exemplo, aos trabalhos da Polícia Civil catarinense no combate às infrações penais praticadas contra o agronegócio relacionadas à agricultura ou à pecuária – por exemplo, crimes contra o patrimônio como furto, roubo, estelionato e receptação, além de associação criminosa e organização criminosa.
Categoria:Exemplo de categoria