Editorial Editorial

Nunca se escreveu tanto, tão errado e se interpretou tão mal

 

A pesquisa Indicador de Alfabetismo Funcional, conduzida pelo Instituto Paulo Montenegro em parceria com a ONG Ação Educativa, aponta que apenas 22% dos brasileiros que chegaram à universidade têm plena condição de compreender e se expressar.

Na prática, esses jovens adultos estão no chamado nível proficiente – o mais avançado estágio de alfabetismo. São leitores capazes de entender e se expressar por meio de letras e números. Mais ainda, compreendem e elaboraram textos de diferentes modalidades (email, descrição e argumentação) e estão aptos a opinar sobre um posicionamento ou estilo de autores de textos.

Em contrapartida, a pesquisa de 2016 aponta que 4% dos universitários estão no grupo de analfabetos funcionais. Os dados de leitura, escrita e interpretação do Brasil ajudam a entender algumas das origens desse baixo índice de letramento como, por exemplo, os resultados de Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) de 2014, que mostra que 537 mil alunos zeraram a redação da prova –ou seja, quase 10% do total de 6 milhões de participantes que entregaram a prova. Em 2017, por sua vez, 309 mil alunos zeraram a redação, e apenas 53 tiraram a nota máxima.

Na análise do Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos), a distância do Brasil em relação a outros países é imensa. Os dados de 2016 colocam luz sobre um dos problemas cruciais da educação brasileira, visto que indicam que entre os 70 países avaliados, o Brasil fica na posição 59 em termos de leitura e interpretação.

O Brasil, assim como diversos países ibero-americanos, não pratica, como política pública, a seleção de seus melhores professores para atuarem nas escolas com os estudantes mais pobres. A medida pode ajudar a melhorar a qualidade da educação, segundo dois levantamentos divulgados pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O estudo, que usou indicadores de 19 países, incluindo dez ibero-americanos, mostra que:

Os professores de escolas públicas brasileiras, apesar de serem concursados, podem optar pelo local de trabalho, sendo que os mais experientes têm prioridade, mas não recebem muitos incentivos para optarem pelas escolas com mais desafios.

Nas escolas com alunos mais pobres no Brasil, em média 20% dos professores de ciência têm contratos temporários de até um ano; essa proporção cai para 4% nas escolas com alunos mais ricos. Outro empecilho para que os melhores professores trabalhem nas escolas com estudantes mais pobres é que uma série de fatores as tornam menos atrativas, além do fato de que as escolas com os alunos mais ricos e as notas mais altas ganharem um “status” mais alto.

Com base em dados da edição 2013 da Talis (Chamada de Pesquisa Internacional sobre Ensino e Aprendizagem (Talis, na sigla em inglês),) o estudo mostra que, no Brasil, só 12,6% dos professores acreditam serem valorizados pela sociedade. A média de 25 países membros da OCDE no mesmo ano foi de 28%.