Editorial Editorial

Mais um banco em Sombrio

 

Com a inauguração da filial do Banco Santander em Sombrio nesta semana, que vem com um novo modelo de negócios se dedicar exclusivamente a atendimento aos empreendedores da região, nos leva a fazer uma análise do sistema bancário que é de longe o setor da nossa economia que mais cresce e mesmo em tempos de recessão obtém a cada ano lucros cada vez maiores, bastando olhar os balanços que são divulgados semestralmente. 

O modelo do Santander em Sombrio exclui os clientes tradicionalmente de menor poder aquisitivo que tem conta corrente nos demais bancos, como Banco do Brasil, caixa Econômica Federal e Bradesco que mantem suas agencia em Sombrio. O objetivo do Santander é manter uma carteira de grandes clientes, pois a tendência da população em geral é migrar para os bancos e as moedas virtuais com a libra, moeda de um consórcio sem fins lucrativos baseado na Suíça acaba de anunciar uma iniciativa revolucionária. Administrará a partir de 2020 a libra, a primeira moeda mundial desde o padrão-ouro do século 19.

O consórcio, em crescimento, é hoje formado por 28 empresas, tais como Facebook, Uber, Mercado Pago, Farfetch, eBay e Visa, entre outras, que possuem mais de 2,5 bilhões de usuários no mundo.

Desde os anos 1980, há mais dinheiro eletrônico no mundo do que papel-moeda. O dinheiro por WhatsApp é tão somente um passo adicional nesse lento e gradual aprofundamento da abstração monetária.

O que se vê é uma tentativa de oposição ao exercício do monopólio estatal e dos bancos sobre nosso dinheiro. Acredito que a próxima geração possivelmente não terá contas em banco como hoje concebemos e quem sabe usará uma moeda voluntária, sem fronteiras e independente de governos. O avanço das fintechs trouxe novas opções de formas de se cuidar do dinheiro para os consumidores, que não precisam mais depender apenas dos serviços oferecidos pelos bancos comerciais para investir seu dinheiro, pagar contas, realizar transferências e utilizar cartões de créditos.

Uma das funcionalidades trazidas por essas novas instituições financeiras é o surgimento e a ampliação dos bancos digitais, que trazem como vantagem principalmente uma melhor comunicação com o cliente, com menos burocracia; a utilização de tecnologias móveis, como aplicativos, que permitem que o usuário tenha um controle rápido e seguro sobre sua conta; e custos muito mais vantajosos para os correntistas, principalmente sem as altas taxas cobradas pelos bancos para manter as contas correntes.